SAPO Txiling
Festas, Cinema, Agenda Cultural e muito mais

17 Novembro 2011

Os Kussondulola são uma banda de reggae angolana residente em Portugal. O líder da banda é o angolano Janelo da Costa. Dançam no Huambo e Perigosa foram colossais êxitos que influenciaram gerações, bem como outros temas dos dois álbuns posteriores, Nós somos rastaman, Rock steady, Apanha flash e Boda do leão.

Os Kussondulola, tornaram-se em 1995 numa das bandas pop mais populares em Portugal, conseguindo um expressivo sucesso artístico, mediático e comercial com o seu álbum de estreia, significativamente intitulado Tá-se Bem.

 

Poucos sabiam, contudo, que o projecto Kussondulola existia já há quase uma década. Kussondulola é na realidade um colectivo de formação flutuante tendo o cantor e compositor Janelo da Costa, angolano radicado em Portugal, como pólo central, com novos músicos entrando e saindo consoante as disponibilidades e necessidades do projecto e dos músicos.

Ao longo de uma década de composição e actuação, os Kussondulola, com o seu visual garrido, misto de Jamaica e África, e a sua efusiva presença em palco, foram conquistando gradualmente um público entusiasta, até ao ponto em que, a meio da década de 90, eram considerados a maior sensação de palco em terras lusas e africanas, cada novo concerto uma festa a que o público aderia sem reticências.

O seu último álbum lançado este ano é recheado de temas originais que falam da vida e do quotidiano no mundo afro-luso, do regresso às origens, da África onde nasceu, dos amigos, da terra, mas também da facilidade que tem em sair de situações de sufoco, em não perder a fé. Às vezes, factores como a falta de identificação o emprego ou fortalecer o amor na terra, apelam à alegria de viver e à fé em Jah.

Tudo isto foi fonte de inspiração para AmaJah já que os grandes temas da humanidade complementam o que os Kussondulola sempre fizeram: escrever, musicar e alertar a sociedade para os seus problemas mais profundos. Aliás, questões como o ataque às forças políticas são temas constantes, a par da erradicação da pobreza, como se pode escutar em Custo de Vida, um dos mais clarividentes depoimentos sobre o crescente fosso entre ricos e pobres, no mundo de hoje. O amor a Jah é, como sempre, a chave das letras.

Ao fim de vinte anos de existência, Kussondulola sabe que está quase a ocupar o espaço deixado vazio pelo álbum Tá-se bem, de 1995. Mesmo sem ser uma obra de viragem na sua carreira, AmaJah é um álbum sem cedências. Se hoje o seu grito ecoa por milhões de ouvidos, é por mérito e não por a banda alguma vez ter cedido ao sistema.

Fiéis aos seus princípios, os Kussondulola continuam a comunicar através de palavras cortantes e sons originais em que a exigência é ponto assente para os músicos. AmaJah reflecte a vida de um dos mais cortantes e interventivos grupo de reggae dos PALOP e não é especialmente diferente dos anteriores o que, neste caso, é um bom sinal de fidelidade a ideias muito próprias.

 

Foto: FB Kussondulola

capulana às 12:57
palavras-chave: ,

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Agenda

Stewart Sukuma | 18 de Maio

ver mais »

Energetic Party | 12 de Maio

ver mais »



11º Ciclo de Cinema Europeu | de 15 a 29 Maio

ver mais »
Outros Eventos
Cinema 27 Abril a 3 Maio
Cinema Xenon

Nascido em Queens, Josh Kovacs (Stiller) geriu ...

ver mais »

A paleontologista Kate Lloyd viajou para ...

ver mais »



Depois de derrotar uma dragão maléfico, resgatar ...

ver mais »

Cinema Gil Vicente

Charlie Kenton (Hugh Jackman) é um ex-pugilista que perdeu ...

ver mais »

Este blog mudou de endereço e agora está em http://txiling.sapo.mz.

subscrever actualizações
pesquisar no Txiling
 
pub
o que está a dar
SAPO.MZ no Facebook